Clare a Hermafrodita

         No outono passado, no início do meu quarto ano na universidade, eu estava acompanhada de Clare como companheira de quarto. Ela tem um corpo muito bom e bem proporcionado que tem talvez cinco ou quatro pés de altura, e aqueles ossos da arcada superior parecem tão elegantes, com as bochechas um pouco oca embaixo delas. Muitas pessoas podem pensar que seus peitos eram pequenos, mas nesse corpo eles pareciam bons pra mim.

         Na verdade, ela se acha muito bonita também considerando que a maioria dos alunos da Universidade são tão desleixados nos dias de hoje. Eu também gosto de me vestir bem às vezes, mas Clare sempre está vestindo algo elegante. Não é caro, você sabe, mas põe assim junto para parecer impressionante. E sempre de saltos altos também. Três polegadas e de vez em quando saltos de quatro polegadas. Perguntei-lhe um dia por que ela se veste assim todos os dias e ela me disse: "Trabalhei duro para me vestir dessa maneira e não vou deixar". Além disso, ela não explicou.

         Naquela noite em particular, estive num encontro. Eu estava vestindo uma blusa branca, uma saia preta, algumas meias pretas (eu amo meias) e um par de de sandálias de alças pretas de modelos com saltos de três polegadas que tinham um pequeno abertura aos dedos (eu não gosto dos sapatos espesso que parecem ser “In” estes dias) com uma mostra do esmalte das unhas vermelhas espreitando de cada abertura. O encontro não se transformou em muito. Ele me levou para jantar e só falou sobre o quão ruim era o vinho. Então nós fomos a um filme e ele falou todo o caminho sobre futebol, aí cheguei em casa cedo.

         Clare e eu temos um acordo. Se qualquer uma de nós está "ocupada" com alguém, colocamos um pequeno rosto sorridente no nosso nome na placa da porta. Nada lá, então eu destravei e entrei. Santo Jesus! Clare estava em sua cama, uma luz ligeiramente fraca e ligada, em um camisola vermelha de cetim que dividia na parte dianteira, as meias pretas com os calcanhares de cetim vermelho de cinco polegadas, e ela estava se masturbando. Não quero dizer com o dedo ou com um vibrador. Ela estava batendo uma punheta! E tinha um bom tamanho para isso!

         Eu bati a porta, joguei as costas contra a parede lateral, os braços e as mãos se espalharam como se eu pudesse segurar. "Oh meu Deus", eu gritei. Eu vivi com um homem! Jesus, não, um travesti! "Devo dizer que não tenho nada contra travecos. Conheço um e ele é uma grande pessoa. Eu simplesmente não quero viver com um.

         "Sinto muito, sinto muito", Clare chorou. Ela, ou ele, tentou se mexer para ficar em cima da cama.

         Eu estava horrorizada. O que diabos eu ia fazer. O seu vestido aberto de cetim estava no chão. Eu reuni minha coragem e tropecei para buscá-lo. Segurando-o acima, sobre os olhos, entreguei-o a Clare.

         "Sinto muito", ela começou de novo. "Vou me arrumar e sair de manhã". Ela ficou parada, com o vestido amarrado na cintura, atravessando a sala tão elegantemente com aqueles lindos saltos de cinco polegadas, depois caiu no nosso pequeno sofá e começou a chorar.

         "Eu vou ajudá-lo a arrumar, e não precisa esperar até a manhã. Cristo, um travesti!"

         "Eu não sou um travesti!" Ela gritou para mim entre soluços. "Eu sou uma hermafrodita!" E começou a chorar novamente.

         Comecei a caminhar em direção a ela, sentindo... Sentindo que não sei o que, mas diferente. "Você quer dizer que você tem os dois..."

         "Sim!" E em sua fúria e dor lançou a frente de seu vestido aberto, alcançou a divisão, agarrou o que era agora um pintinho e puxou-o. "Você viu uma parte, você pode ver a outra".

         A carne em sua mão estava saindo de cima do que parecia uma xana bastante agradável. Comecei a sentir-me molhada. Tão rapidamente, Clare fechou o vestido e caiu de novo a soluçar, e sua ira pessoal e sua confusão se dissiparam.

         O que eu poderia fazer. Me sentei suavemente ao lado dela, na esperança de que eu pudesse agora ter um pouco de conforto. “Bela bunda", eu disse fracamente.

         Clare só respondeu colocando a cabeça no meu ombro e soluçando como pequenos soluços, o peito tremendo.

         "Eu nunca vi essa roupa", continuei, sem saber o que dizer.

         "É... (soluço)... Para... (hic)... Ocasiões especiais".

         Eu apenas a segurei então, minhas próprias emoções ruins lavando suas lágrimas.

         Depois de um tempo, ela começou a me contar sua história. Quando nasceu, o médico sugeriu remover o pênis, mas seu pai ficou bravo "Nenhum cirurgião irá tocar no meu garotinho". Sua mãe tinha se entregue à pressão dele e Clare tinha sido criada como um menino. Seus pais nunca resolveram o assunto e estavam constantemente lutando por isso, e assim Clare acabou por saber que ela era uma espécie de "aberração". No final do último ano da escola primária, sua mãe deixou seu pai e se afastou.

         "Ela me perguntou o que eu queria ser", explicou Clare. "Eu disse a ela que eu era uma garota, queria ser uma menina".

         Sua mãe comprou-lhe toda a roupa nova, roupa de menina e ela se lembrou excitadamente, aqueles primeiros sapatos femininos; modelo Mary Janes preto, com pequenas meias brancas de renda, e também um par de mocassins castanhos baixos.

         "Eu tive minha primeira ereção tentando calçar as Mary Janes, não muito grande, mas muito dura", ela riu suavemente no meu ombro. Seus soluços diminuíram e ela estava me dizendo tudo isso como uma espécie de reminiscência sonhadora. "Eles pareciam muuiiiito agradáveis e sentia-me tão bem, e andei com aqueles sapatos e minha nova saia por horas. Eu até os levava à cama e brinquei com o meu “difícil” um pouco”.

         Ela desabou novamente e soluçou, e soluçou no meu ombro. Apenas fiquei em silêncio, segurando-a. Então, hesitantemente, continuou com sua história.

         Durante esse verão, sua mãe ensinou-lhe a se vestir, agir e se comportar como uma menina, até a sua primeira maquiagem. No outono, ela se matriculou na escola secundária em sua nova cidade como uma menina. Durante o ensino médio, os meninos a estavam pedindo pra uns encontros.

         "E eu simplesmente não poderia ir a um. Você vê..."

         "Eu vejo o problema", eu a tranquilizei.

         "Então, todos pensaram que eu era uma ranheta. Eu me retirei mais e mais. Me retirei dos meus estudos em livros de moda. Foi no meu segundo ano que meus seios começaram a crescer e, juntamente com o meu pênis".

         Ela estava decidida que deveria ver um médico e tentar resolver por uma resolução física e pessoal. No final, descobriu que se eles tivessem amputado seu pênis como bebê, ela não teria sensações sexuais, pois, no caso dela, substituiu seu clitóris. Por outro lado, se ela tivesse escolhido crescer como menino, teria que sofrer uma mastectomia dupla no mínimo. Eu involuntariamente estremeci com esse pensamento. Seus lábios sempre pareceram agradáveis para mim, não muito grandes, nem muito pequenos, com uma pele delicada. Era uma situação perdida, com Clare a perdedora no caminho todo. Neste ponto, ela simplesmente desabou novamente e soluçou no meu ombro.

         Eu simplesmente sentei-me lá, humilde, abraçando-a. Eu não sabia o que fazer realmente, então eu fiz o que parecia natural, o que minha mãe fez por mim quando era criança, quando eu precisava de um reconfortante. Desabotoei minha blusa e guiando a cabeça dela a um peito esperando. Ela revirou os olhos para mim. Eu acenei com a cabeça e apertei a cabeça em direção a ele. A suave sucção de seus lábios vermelhos também aliviou minhas tensões e comecei a pensar na última hora.

         Lentamente, lentamente seu tremor parou. Então seu pênis começou a empurrar contra o lado da frente de sua túnica vermelha lisa. Eu podia ver dentro da abertura. Era um bico lindo, embora não muito grosso. Eu olhei para isso hipnotizada. Era talvez uma polegada e um quarto de largura, um cabo perfeitamente liso, brilhante e cheio de veias. A cabeça era de um rico roxo e terrivelmente brilhante com uma inclinação arrogante e uma coroa maravilhosamente definida que se erguia bem do seu eixo. Curvado! Para cima! Não aquele repuxo pra baixo de um freio muito curto, mas para cima de uma maneira erótica que eu nunca tinha visto antes. Deve ter oito polegadas de comprimento. Se uma mulher tivesse um cacete (o que eu estava pensando, meu cérebro carregou), então essa coisa curvilínea e fina era isso. Eu queria tocá-la, mas, em vez disso, aproximei e abri completamente a frente do vestido de Clare e deixá-lo sair sem obstáculos.

         Ela sentiu meu movimento e sentou-se bem, tentando cobri-lo. O tecido macio escovou sua cabeça inchada e ela se sacudiu espasmodicamente.

         "Desculpe", ela disse simplesmente, novamente.

         "Você não precisa fazer isso com Clare. É um órgão bonito. Solte. Não me importo de nada".

         "É bonito não é", ela sussurrou colocando uma mão ao redor, suas unhas vermelhas um contraponto encantador para o eixo rosa e cabeça de ameixa fresca colorida. Algum tipo de barreira entre nós foi transposta.

         "Sim", eu sussurrei de volta. E mais ousadamente "E um lindo trabalho cirúrgico. Você teve a sorte de ter um cirurgião tão cuidadoso quando nasceu".

         "Ah, isso tem apenas dois anos. Meu pai não deixou um cirurgião chegar perto de mim então. Eu decidi que, como isso era o que continha o coração da minha sexualidade, eu queria que ele parecesse tão bonito quanto possível. Procurei por meses para encontrar apenas o tipo certo de circuncisão. Desta forma, eles tiraram a pele da base. Eles fazem em você o mais difícil possível, então marcam o quanto vão tirar, então... Eu estou balbuciando”, e ela estava para encobri-lo novamente.

         "Por favor, antes que você faça isso... Eu poderia... Eu poderia tocar."

         Clare me olhou duvidosamente, mas sua ereção ainda era muito ousada e não acho que ela pudesse ter coberto mesmo agora. Ela tirou a mão dele e eu apenas toquei a ponta com o dedo e segui abaixo a meu modo o liso brilhante com uma unha vermelha, me deixando muito molhada como estaria.

         "Ah!" Ela exclamou, com um estremecimento.

         "Por favor, me conte o restante sobre sua circuncisão", eu disse suavemente.

         "Não há muito mais a contar. Eu acho que eles não me deram o suficiente e então eles tiraram um pouco de pele do topo e isso fez a curva voltar, mas eu gosto da curva e... Me desculpe, isso tem que parar. "

         Ela começou a se levantar. "Vou começar a arrumar".

         "Não Clare. Não agora. Você está emocionalmente exausta, mas precisamos conversar mais. Eu quero ir ao banheiro, mas vou voltar e podemos conversar sobre isso. Eu acho que há uma grande garrafa de vinho com apenas um copo tomado, na geladeira. Vai sirva um pouco para nós”.

         Sem dizer uma palavra, ela se levantou e eu a vi balançando na sala naqueles lindos saltos de cinco polegadas para a nossa pequena kitchenette, então eu fui a minha cômoda e tirei algumas coisas e abri meu caminho para o nosso minúsculo banheiro.

         Não demorou muito. Refrescando um pouco aqui e ali, um retoque na maquiagem, depois eu tirei até minhas meias-calças e sutiã. Na minha cabeça refletindo em minha noiva "especial", voltei para a nossa sala. Eu sabia que ela seria capaz de ver minha boceta bem depilada através do tecido azul pálido do meu Baby Doll curto. Era óbvio que a parte masculina dela estava ligada por coisas femininas sexy, e queria ver mais a parte masculina dela.

         Clare tinha voltado para o sofá e virou a cabeça para mim enquanto eu voltei para dentro. Seu pênis voltou à vida. Já disse isso antes, mas era um cacete verdadeiramente bonito e percebi então que eu adorava estar vendo isso de verdade. Era terrivelmente erótico para eu vê-lo sair da frente de seu traje muito feminino.

         "Você está raspada; "Por que você está me atormentando assim", disse ela, novamente tentando cobrir sua parte especial.

         "Eu não estou vestindo assim para te atormentar Clare", afirmei.

          "Estou vestida assim porque quero admirar você e fazer com que você se sinta confortável ao meu lado enquanto desfrutamos o nosso vinho. E sim eu me depilo. Você gosta disso"

         "Sim. Sim, Deus sim, é adorável. Você pode ver o efeito que teve sobre mim".

         "Então, por favor, deixe seu lindo pênis ser livre. Vou acender uma vela para nós. Deixe-a sair na suave luz cintilante que irá fazer. Deixe o reflexo da chama iluminar sua cabeça brilhante. Seja livre. Por favor. Deixe-me apreciá-lo, é tão bonito, e isso só contribui para a sua beleza. E tirei o seu manto. Eu mostrei-lhe meus melões, deixe-me ver os seus”. Eu olhei para ela suplicantemente.

         Quando acendi a vela, ela deixou cair a túnica e aliviou as alças para deixar seus seios livres. Coloquei minhas mãos debaixo deles e os tirei do bojo. Ela choramingou suavemente, e a cabeça do cacete se abaulou, sua pele ainda mais brilhante, prestes a explodir. Suas tetas eram fofinhas, e talvez tamanho 32B, mas em seu corpo pequeno, perfeito. Facilitei a acomodar de volta e deixá-la encobri-los de novo.

         Sentando-se ao lado dela mais uma vez, eu disse: "Agora seja sincera, não se sente melhor agora que não está restrito" enquanto eu acenava minha mão em direção ao seu cacete.

         Estava tão intumescido agora, ela não poderia ter escondido de qualquer maneira. Ela olhou para mim com grandes olhos esperançosos e concordou com a cabeça.

         "Qual tamanho realmente é”, perguntei suavemente.

         "Na verdade, são oito polegadas e meia se você contar a curva. Você tem certeza..."

         "Tenho certeza. Posso segurá-lo agora"

         "Sim se você quiser."

         Coloquei minha mão sobre ele, aproveitando completamente a dureza e a suavidade, e me inclinei, tentativamente, para beijar sua bochecha. Ela aceitou, para minha surpresa, e depois recuou.

         "Eu gosto de sua bunda, e suas tetas também", ela acrescentou um pouco mais suave.

         "Obrigado."

         "E seu trabalho de barbear, você vai me mostrar, descoberto"

         Relutantemente, eu soltei o cacete dela, deitei-me, inclinei-me e puxei minha camisola para cima.

         Eu vi sua glande ficar brilhante novamente.

         Conversamos de muitas coisas por um período. De crescer, não aceitando saídas, de seus cursos universitários, de seu amor por saltos altos e roupas de moda. Naturalmente, seu pênis se afastou de volta para dentro enquanto o tempo passava.

         Depois de um tempo eu queria vê-lo novamente, então puxei a bainha baixa da minha camisola e gentilmente peguei sua mão e coloquei na minha xana, movendo seus dedos sobre os lábios. Quando soltei, ela deixou a mão por alguns instantes e depois retirou-a. Eu deixei minha bainha, minha xana a vista para ela, disponível.

         "Você acha ser isso muito e difícil, não é Clare"

         "Oh, Deus Karen, então me ajude, eu quero. Mas há tão pouca oportunidade... E ninguém mais para apreciar... Ninguém para..."

         "Você nunca teve um relacionamento de qualquer tipo..."

         "Não, como eu poderia. Homens não querem... As mulheres não gostam..."

         "Alguns não, não, mas eu estou", e eu alcancei para mexer os dedos sobre a cabeça de ameixa fresca mais uma vez madura e foi recompensada com outro efeito espasmódico.

         "Você só teve que encontrar seu prazer..." E isso nos levou a conversar mais enquanto bebíamos outro copo de vinho cada uma.

         Seu pênis mais uma vez murcho deve ter desapontado Clare, porque ela começou a deslizar uma mão em direção a mim, então retirou-a.

         "Vá em frente Clare. Vá em frente. Estou aqui para você, estou nua para você. Deixe duro, absolutamente duro novamente. Deixe-me virar um pouco e tornar mais fácil para você tocar e ver minha xana". Eu me postei de ladinho. "Isso mesmo Clare, me toque, sim, é isso, deslize um dedo".

         Seus mamilos empurraram o topo de seu vestido, e sua pica empurrou para fora uma vez mais, enchendo, inchado, curvando. Agarrei e segurei, espremendo. "Isto é bom Clare"

         "Oh, sim, Karen", ela respirou profundamente. "Você acha..., você ama a sensação da minha...

         "Clare, é fantástico. Olhe como eu estou molhada. O que é que faz você ficar excitada" Eu disse deixando ir apreciar a forma e o comprimento de seu cacete. Inclinei-me e dei um pequeno beijo na cabeça. "OK?", perguntei.

         "Oh, sim. Deus olha para isso aumentando! É quase doloroso, é tão difícil. É uma dor agradável", acrescentou com pressa, "uma dor muito boa".

         "Mmmm. É magnífico. Por quanto tempo você acha que podemos mantê-lo desse jeito? Não importa, e a minha pergunta"

         "Eu amo ser uma mulher, a sensação do meu corpo, roupas sensuais e macias, a sensação dos meus seios. Eu amo olhar para eles no espelho. Saltos altos, oh, sim, definitivamente, saltos altos, e assistindo os peitos de outras mulheres. Você sabe? Eu tenho que usar calcinha elástica pesada para impedir que isso aconteça na sala de aula ou na rua”, disse ela, acenando para o seu fantástico. "Eu sou uma mulher e amo isso, mas são coisas femininas que são eróticas para mim".

         "E a sua outra parte, fica excitada. Os homens ficam excitados".

         "Meu ferimento de machado, como o papai a chamava, sim, fica excitada. Está animada agora, tão molhada e excitada quanto a sua, mas não, os homens simplesmente não farão isso pra mim".

         "E todas aquelas vezes você estava com um rosto sorridente na porta"

         "Apenas para fazer você pensar que eu tinha algum tipo de vida sexual".

         "E esta coisa adorável que me cutuca, é armada e perigosa"

         "É... Oh, eu vejo. Karen eu posso ter orgasmo, mas não posso ejacular nem posso menstruar. Não tenho... Não tenho testículos nem ovários".

         "Deus", pensei, "Quanto sou estúpida". Simplesmente não tinha me ocorrido, eu estava tão interessada em ver seu cacete e xana que eu não tinha notado a falta de bolas.

         Eu derramei a última porção de vinho e fomos para terminar de explorar as vidas uma da outra. Quando terminamos esse último copo, virei-me e disse: "Está quase de madrugada, e acho que iremos faltar às aulas hoje. Você quer que seja grande novamente"

         "Sim", suavemente.

         Você quer que eu torne muito e difícil e doloroso novamente "

         "Oh sim."

          “Você quer que eu faça seu clitóris incrível tão duro e tão rígido que pode até ter nove polegadas de comprimento de comprimento, latejando e deliciosamente doloroso”.

         "Ooooooh". Clare respirou audivelmente, seu peito arrasado como tinha durante os soluços, o lábio inferior puxou entre os dentes. "Como você fará isso", sua voz se quebrando.

         Não respondi diretamente. Em vez disso, eu disse: "Primeiro, temos que mover essas mesas de noite e empurrar nossas camas juntas. Os minutos seguintes foram preenchidos com o som de nossos calcanhares batendo sobre o pequeno dormitório. Eu me perguntei onde eu poderia comprar um par de sapatos de cinco polegadas no dia seguinte. Então eu puxei minha boneca para cima e caí de volta na nova cama de casal, espalhando minhas pernas ao largo.

         "Para conhecer nosso primeiro objetivo, você pode me comer e..."

         Eu vi seu clitóris aparecer mais uma vez, já grande e latejante.

         "E?"

         "E quando você não suportar mais a dureza, me fode!"


Texto extraído da internet - Clare the Hermaphrodite
Autor / Autora: Anon
Publicado em: 13 de fevereiro de 2013
Tradução: Antonio Ferreira

Foto 1 do Conto erotico: Clare a Hermafrodita

Foto 2 do Conto erotico: Clare a Hermafrodita


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario jocruz

jocruz Comentou em 05/03/2019

QUE CONTO GOSTOSO SEMPRE QUIS CONHECER UMA HERMAFRODITA MAS NAO TIVE A SORTE.

foto perfil usuario cortespereira34

cortespereira34 Comentou em 22/10/2018

Bom conto,show

foto perfil usuario

Comentou em 23/08/2017

Delícia de experiência e fotos

foto perfil usuario kzdopass48es

kzdopass48es Comentou em 23/08/2017

teve meu voto! Sonho em conhecer uma delícia de grelo duro assim! Betto(o admirador do que é belo)




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


38993 - Um dia surreal - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
39457 - A escada para o céu - Categoria: Virgens - Votos: 4
39592 - Foi só na bundinha - Categoria: Heterosexual - Votos: 6
39820 - Como dois casais iniciaram no swing - Categoria: Traição/Corno - Votos: 16
40184 - O neguinho e a japinha - Categoria: Interrraciais - Votos: 8
40524 - Foi assim que transei com a lésbica - Categoria: Lésbicas - Votos: 1
41766 - A versão do tarado gentil – Amarrada - Categoria: Fetiches - Votos: 3
42648 - Quem come quem? - Categoria: Heterosexual - Votos: 1
43671 - A primeira bundinha - Categoria: Gays - Votos: 7
44344 - Quero que me faça delirar - Categoria: Coroas - Votos: 1
45005 - Theodora - Categoria: Travesti - Votos: 1
71316 - A Casa da Saudade - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 3
104788 - Félix dentro de mim - Categoria: Incesto - Votos: 15
107179 - O neguinho e a japinha – Um relato de Kazuko - Categoria: Interrraciais - Votos: 11
134490 - Vizinhos família - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 21
134899 - Vizinhos família ( O outro lado ) - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 8

Ficha do conto

Foto Perfil codigo 6
codigo6

Nome do conto:
Clare a Hermafrodita

Codigo do conto:
105150

Categoria:
Lésbicas

Data da Publicação:
23/08/2017

Quant.de Votos:
8

Quant.de Fotos:
2


Online porn video at mobile phone


utimoscontosas coxas da minha mâe contos eroticosfoi visitar minha irma e seu marido me fudeu,contos e relatos eroticosconto erótico: visita do irmÃocontos eroticos demenor e tiocontos eroticos d pai ou irmao vendo a filha ou a irmao transando com o namoradomacho peludo dotado fode bixscontos loira bunduda e meu tio picudoutimoscontosarredeu a calcinha dela meticontos eroticosbem novinhas viciadas em gozarcontoeroticodfConto erotico esfregei a buceta na cara de papaiquadrinho erotico fodida aforca e apanhandocontos eróticos festa da empresa de minha esposaconto de sexo com palavrõescontos eróticos ilustrados de virgensEnfia rola na buceta da filhacabaço ela gozapais a emrrabar as filhasmulher traindo marido com cunhado dotado contoerroticoesposa gostosa icontos etoticos ru e minhas irmarconto eroticoesposa e filhocasada no sadomazoquismo xvidiocadela uivando na vara video zoofilia pornoestuprado e mijado na boca pelos peões r****** contos eróticos gaypornô conto estupro bombeirocontos eroticos traindo com molequesincesto de irmãs assistindo filme porno eles ficaram ecitadowww.contochorei/navaracontos fetiche por rola preta enormerelatos eroticos dona de casa com entregadorcom fotosminha mae com meu amigo quadradinho eroticocontos eroticos meu filho gozou na minha bucetacomtoerotico bocetinha cherozinhacontos eroticos minha sogra quis eMinha mae trepando com pedreiro contos eroticoscontos eroticos de novinhas de pindaesposa rodiada de rolas contoscontos cfm com fotos esposas arrombadascontos erótico incesto vovo betinha contoerotico esposa e o mulequeConto erotico irmãzinho nuacontos gays dei no carnaval de salvadorvideos e contos de sexe de mae estrupa aforca pelo propio filho ele goza dentro sem camisinharelatos esposa metendo eo corno dormindoconto erotico enteada brincadofantasia de meu marido cornocontos conquistei papai pauzudocontos com fotoscfm casadasfode a com genecologista enquanto o marido espera foracontos eroticos vizinha novinha ecuriosaconto acabei traindo meu marido com meu irmaosinho novinhoclimax conto eroticomangaerotico/mobileso contos eroticos comi minha sogra na sala e minha esposa no quartocontos eróticos gay vestido de putinha obrigado pelo amigo que virou meu maridocontos gays fui puta e tentram tirar leite do meu peitinomenininhaxvidiovirgemmeladascontos eroticos incesto maravilhosoavozoofiliaسکسی سکس کارتونیconto erotico raquel morena deliciosacontos de desmaiei na pica grande de meu irmão no meu cufotos gordodelicia..peladaspunhetando o pau conto eroticocontos de incestos de conchinha com a sograComtos de putinhascontos eroticos gay currado pelo personalcome a minha boquinha conto eroticoContos eroticos minha mulher traz porra para mimcontos de filha sem calcinhaxvıdıos escorendoxnxx porno gey contos eroticoscomendo priminho inosente dormindocontos eróticós escravas violentadascontos de incestos flagrando minha mulhercontod eroticos - mae e filha na loja dexeroxescrava conto erotinoboatw mulher chupa a buceta da outra e senti tesaosogragostosafudenogibi porno o amario com acoroacontos eroticos tia mariacontos eróticosmelhor amigacontos erotico arrombada 2017conto titia da buceta gostosacontos vi o mega grelao da minha vizinhacontos eroticos aliviando os peoestaxista e seus amigos conto gaycontos com fotoscfm casadasandando sim pornô da morena bonita gostosa e deu bem gostosinho sobrinhoirmã espera a outra ficar de percebida e dá em cima do namorado pornôContos eroticos até ontem, eu era fiel 3 partecontos+eroticocontos eróticos gay entre irmãos/de sandro virei sandrinhaFui bem comida na praia por 4 negros contos com fotoscontos eroticosfodendo escondido do meu maridoxxdeos.com filho machuca a mae estupra a forcaHENTAI DE UMA MÃE QUE FOI NO SUPERMERCADO E QUANDO VOLTO VIU O SEU FILHO PELADO E TRNSOU COM ELE